Drª Claunara Schilling Mendonça, docente do Mestrado em Avaliação e Produção de Tecnologia para o SUS representou o Brasil na Conferência Global de Atenção Primária à Saúde, ocorrida nos dias 25 e 26 de outubro de 2018, em Astana, capital do Cazaquistão, em comemoração ao 40º aniversário da histórica declaração de Alma Ata, de 1978.

noticias1

noticias2

A “Declaração de Astana” é um acordo internacional, assinado por 194 países membros da Organização Mundial da Saúde, incluindo o Brasil, com o compromisso de fortalecer a atenção primária à saúde. A declaração foi debatida na Conferência Global de Atenção Primária à Saúde, ocorrida nos dias 25 e 26 de outubro de 2018, em Astana, capital do Cazaquistão, em comemoração ao 40º aniversário da histórica declaração de Alma Ata, de 1978, que propunha “Saúde para todos no ano 2000” e valorizou a justiça social, os determinantes sociais e a equidade em saúde.

foto11

foto22

Organizada pela OMS, UNICEF e governo do Cazaquistão, na mesa de abertura, o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom, afirma: “A saúde não é um brinquedo político, ela deve ser usada para promover o bem-estar e qualidade de vida. E isso só acontecerá quando nos comprometermos a fazer da atenção primária à saúde a base da assistência universal”. A experiência brasileira de atenção primária foi elogiada em vários momentos do evento, desde a mesa de abertura, mostrando o mapa brasileiro com o crescimento das Equipes de Saúde da Família, como na mesa de cada uma das regiões, com a fala do secretário de governo da saúde da Argentina, Adolfo Rubinstein, que falou pelas Américas, dizendo que “o Brasil é nosso melhor exemplo”.

 foto21

A Conferência Global de APS teve a presença de 1200 líderes, incluindo menbros dos Estados, ministros de saúde, economia, educação e desenvolvimento social, organizações não governamentais, profissionais de saúde, líderes jovens e pesquisadores, categoria na qual participei da Conferência, por fazer parte do International Advisory Group, proposto pela OMS para contribuir com a declaração. A programação dos dois dias contemplou 6 Sessões Plenárias, 19 sessões paralelas, 12 eventos paralelos e 20 sessões de café, com temas relacionados à APS. As sessões plenárias versaram sobre o papel dos governos para que a APS alcance a Cobertura Universal e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: integração da rede de serviços, inclusive intersetoriais – Saúde em Todas as Políticas, para abordar as questões estruturais que sustentam os determinantes sociais adversos da saúde, a questão da força de trabalho: profissionais bem treinados, apoiados e valorizados e equipes de atenção primária altamente eficazes, capazes de responder as necessidades em saúde das populações: saúde mental, condições crônicas, cuidados paliativos e reabilitação; a participação das pessoas: engajamento significativo de comunidades e setores de atenção secundária e terciária – as reformas hospitalares necessárias em sistemas de saúde com APS forte, o futuro da APS: novas tecnologias, pesquisa voltada para atenção primária, esforços deliberados em prol da integração e coordenação e a proteção financeira: o papel da APS na equidade em saúde e o lema “não deixar ninguém para trás”.

A delegação brasileira contou com pesquisadores da FIOCRUZ, como Paulo Buss, que participou da mesa sobre “Acesso a vacinas, medicamentos e produtos de saúde na APS”, Ligia Giovanella e com o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald dos Santos. O Conselho Nacional de Saúde apresentou diretrizes para a construção da declaração, em defesa de uma APS abrangente, que considere as desigualdades produzidas pela ordem econômica global e seu impacto na determinação da saúde (http://www.susconecta.org.br/cns-faz-historia-em-conferencia-global-de-saude-no-cazaquistao/). A ABRASCO também elaborou um documento de posicionamento: Atenção primária e sistemas universais de saúde: compromisso indissociável e direito humano fundamental. (https://www.abrasco.org.br/site/outras-noticias/internacionais/alma-ata-e-atencao-primaria-a-saude-de-volta-ao-futuro/), juntamente com um documento alternativo proposto pela sociedade civil de mais de 70 países, por meio do People´s Health Movement (https://www.surveymonkey.com/r/5Y6GWCL), chamam atenção para a distinção que deve ser feita entre a APS para alcançar a cobertura universal, que dependendo do modelo de financiamento pode resultar em cobertura segmentada para diferentes grupos sociais conforme a renda, com diferentes abrangências de serviços ofertados, e a APS que orienta sistemas públicos universais de saúde, capaz de distribuir eqüitativamente os recursos públicos de acordo com necessidades da população, com financiamento com base tributária progressiva e justiça fiscal, sob controle e regulação governamental, ausência de copagamento e garantia de cuidado integral.

foto32

foto31


A Conferência Global também organizou encontro com jovens profissionais de saúde engajados na APS, que são responsáveis em seus países e regiões pela divulgação das orientações da Declaração de Astana.

foto41

 

Do Brasil, alunos de diferentes cursos da área da saúde participaram por meio da Diplomacia Civil do Instituto Global Attitude:

 

foto 52

A Declaração pode ser lida em espanhol , no site da OMS (who.int), e apresenta 7 compromissos aos Governos e Sociedades:

foto61

 

  1.           Direito fundamental de todo ser humano ao grau máximo de saúde;
  2.           APS é o enfoque mais inclusivo, eficaz e efetivo para a melhora da saúde física e mental das pessoas, é a pedra angular dos sistemas de saúde sustentáveis para a Cobertura Universal de Saúde e o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável;
  •          É inaceitável do ponto de vista ético, social e econômico a persistência das disparidades nos resultados sanitários e a iniqüidade em saúde;
  1.           Tomar decisões audaciosas em prol da saúde em todos os setores.
  2.           Estabelecer atenção primária à saúde sustentável;
  3.           Empoderar as pessoas e as comunidades;
  •          Alinhar apoio das partes interessadas nas políticas, estratégias e planos nacionais. 

    Elaborado por Claunara Schilling Mendonça

         Médica de Família e Comunidade

         Professora de Medicina de Família do Departamento de medicina Social da Faculdade de Medicina da UFRGS

         Docente do Mestrado Profissional em Avaliaçao e Produção de Tecnologias para o SUS do Grupo Hospitalar Conceição

Membro do IAG da Organização Mundial da Saúde.

“Never doubt that a small group of thoughtful, committed citizens can change the world; indeed, it's the only thing that ever has.” Margaret Mead. Em mensagem recebida por Shannon Barkley, do Service Delivery and Safety, da World Health Organization

Localização

- Mantenedora: Av. Francisco Trein, 326
- Bairro Cristo Redentor
Porto Alegre - RS - CEP 91.350-200

 

Horário de funcionamento

Mantenedora Seg a Sex 7h às 17h 30min
Estágios Seg a Sex 8h às 17h
Escola Seg a Sex 7h às 17h 30min
Mestrado Seg a Sex 7h às 17h 30min
Residência Multprofissional Seg a Sex 7h às 17h 30min
Pesquisa Seg a Sex 7h às 17h 30min
FaCS-GHC  Seg a Sex 7h às 22h 30min
login